All for Joomla All for Webmasters
Jornal Aberto - Itens filtrados por data: fevereiro 2018
A autarquia paivense anunciou esta semana que, já está disponível para consulta o novo formato da toponímia do concelho, que pode ser consultado através do endereço electrónico / via pagina oficial do Facebook : https://sig-castelopaiva.maps.arcgis.com/…/weba…/index.html…
 
 
Este esforço de actualização permanente da Câmara Municipal de Castelo de Paiva, que está a ser concretizado em conjunto com as Juntas de Freguesia, revela a melhoria e o reconhecimento da importância da toponímia não só como um eficiente sistema de referenciação geográfica, mas sobretudo, como um elemento fundamental para a segurança, divulgação e perpetuidade da história e cultura da população do nosso concelho, concretizando-se um levantamento completo dos arruamentos existentes no concelho e contemplados com topónimos e a respectiva atribuição dos números de porta.
 
Daí que, nesta fase de auscultação da população, a edilidade paivense agradece a opinião e o contributo de todos, na expectativa de que, este processo possa ser concluído com sucesso e, no mais curto espaço de tempo.
     Qualquer observação por parte dos munícipes sobre os topónimos atribuídos, bem como sugestões para novos topónimos a atribuir a arruamentos que ainda não os possuem, deve motivar informação para dar entrada no atendimento municipal, no formulário de petições diversos, dirigido à equipa de trabalho que, na autarquia, está com este processo da toponímia.
 
Considerando ser este um processo exigente e trabalhoso, o presidente Gonçalo Rocha destaca que esta é uma aposta de grande interesse para o concelho e para as populações, que vão passar a ter denominação das ruas e números de porta, um procedimento que vai potenciar que, a missão dos Correios, Bombeiros, INEM e de outras áreas fundamentais, possa ficar muito mais facilitada.
Rosa Pinto, Vereadora da Coesão e Ação Social do Município de Felgueiras, tem realizado visitas de reconhecimento às instituições de solidariedade sem fins lucrativos do concelho.O objectivo destas visitas é conhecer in loco as instituições e as pessoas que delas fazem parte, bem como verificar o trabalho desenvolvido e as necessidades que estas organizações apresentam. 
domingo, 04 fevereiro 2018 00:00

TERRA DA LIBERDADE

Entre 2013 e 2016, a APAV registou um total de 29.619 processos de apoio a pessoas vítimas de Violência Doméstica, mais de 85% eram mulheres.
 
Mulheres que viram os seus sonhos serem interrompidos, os seus objetivos serem espezinhados quando deram o último suspiro agonizando uma morte que não mereciam.
 
Quando o sol brilha é para todos, correto? Então onde fica a igualdade de género? Esse termo rodeado de tabus, que suscita discussão, preconceito, medo e morte?
 
A igualdade de género implica abolir a discriminação entre os sexos, e que não seja favorecido o homem em nenhum aspeto da vida social, tal como era frequente há algumas décadas.
 
Atualmente, a sociedade tenta mascarar a realidade afirmando que as mulheres já conquistaram todos os direitos e escolhas que as colocam em pé de igualdade com os homens. Mentira absurda! Os media, em geral, propagam fortemente na publicidade, nas telenovelas e nos filmes, a passividade da mulher em relação ao homem e legitima o corpo da mulher como objeto sexual.
 
Igualdade de género nunca matou ninguém, mas o machismo mata todos os dias e é importante que todos tenhamos uma noção clara destes conceitos, para que possamos entrar numa luta justa. 
 
Não serei mulher livre enquanto outras mulheres viverem oprimidas. Viverei acorrentada, ainda que as correntes delas não sejam as minhas. 
O sol quando brilha é para todos, não é?
 
Então porque é que algumas mulheres nunca mais poderão vê-lo brilhar?  
Publicado em Crónicas
Pág. 4 de 4