All for Joomla All for Webmasters
30 novembro

Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa recebe o BEI

Escrito por 

O Tâmega e Sousa será a região-piloto de um novo projeto no âmbito da economia social do Instituto do Banco Europeu de Investimento.

O pontapé de partida já está dado, a Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa recebeu, durante os dias 30 de Novembro e 1 de Dezembro uma comitiva do Banco Europeu de Investimento, que visitou a região, para melhor perceber as suas fragilidades e onde agir, as suas potencialidades e onde investir.

 “Um caminho difícil mas entusiasmante que trará a uma região que tem profundas assimetrias nos índices da taxa de desemprego a sua grande oportunidade”, assim definiu Gonçalo Rocha, presidente da Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa, o novo projeto de empreendedorismo social inovador em toda a Europa e que contará com a chancela da sua maior e mais respeitada instituição financeira.

Este projeto chega ao Tâmega e Sousa pelas mãos do Prof. Emídio Gomes, Presidente da CCDRN. Sem esconder o orgulho por ter aberto portas para que esta parceria se possa desenvolver e contribuir para o desenvolvimento da região, na conferência de imprensa de balanço da visita da comitiva do BEI, Emídio Gomes sublinhou que o caderno de encargos deste projeto “é um livro com as páginas em branco. Agora cabe a todos nós, - CCDRN, CIM Tâmega e Sousa e BEI - construir a melhor estrutura para sustentar e permitir o desenvolvimento de um projeto que pode vir a ser replicado noutras regiões de Portugal ou da Europa.”

Esta cooperação com o BEI deve ser encarada, ainda segundo Emídio Gomes, como um complemento muito importante, aos incentivos previstos no Quadro Comunitário Portugal 2020. “Temos agora que olhar para o território e ajudar a pequena economia que o dinamiza, a singrar e criar valor.” No fim de contas este projeto que ligará a Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa e a CCDRN ao Banco Europeu de Investimento contribuirá para “ajudar a fazer grandes, pequenos negócios, fazendo melhor do que já se faz ou fazer o que ainda não é feito”.

Francisco de Paula Coelho, diretor-geral do Instituto do BEI, afirmou que aprendeu uma lição com os autarcas desta região quando percebeu a sua mensagem unânime: “a falta de dinheiro não é o principal problema deste território.” Sublinhando que o maior problema estará em saber para onde e de que forma deve ser encaminhado o financiamento. Ficou também claro para a comitiva do BEI que é necessário que o pequeno empresário ou produtor saiba como pode aceder às linhas de financiamento que o BEI já disponibiliza através de instituições bancárias nacionais, “é claro para nós que temos agilizar os nossos processos e ser um elemento facilitador ao contrário do que acontece habitualmente.” Sensibilizado com o dinamismo e a vontade de fazer das gentes da região, não deixou ainda de referir a enorme hospitalidade chegando mesmo a confidenciar que “vieram como banqueiros e partiram como amigos”.

Deixe um comentário

Certifique-se que coloca as informações (*) requerido onde indicado. Código HTML não é permitido.