All for Joomla All for Webmasters
21 janeiro

Um Novo Jornal Aberto

Escrito por 

Apesar de se chamar Jornal Aberto, não é um jornal, não exerce jornalismo, nem tem jornalistas. Mas, digamos assim, é um novo “conceito de Jornalismo”, inspirado numa corrente de opinião emergente nos Estados Unidos da América em finais dos anos 80. Já lá vamos.

Se fossemos um jornal, teríamos jornalistas, e um jornalista é aquele que medeia entre a realidade de um acontecimento e a sua notícia: confirma a veracidade, analisa, pondera a sua publicação e constrói uma nova realidade noticiosa.

Quando falamos de ‘cidadãos-jornalistas’ não estamos a falar de jornalistas, apenas. “Há cidadãos e há jornalistas, os jornalistas serão cidadãos, mas o contrário não é verdadeiro. Os cidadãos só são jornalistas se o forem…” (Alexandra Lucas Coelho, “Para não acabar de vez com os jornais (e a democracia )” – JORNAL PÚBLICO 28/12/2015); Portanto, “os leitores não devem substituir os jornalistas, que para o bem de todos, e como acontece com bombeiros ou médicos, devem ser preparados para o que fazem e honrar um código de conduta. Para isso têm uma carteira profissional, sujeita a critérios. A carteira existe como garantia para a comunidade e para o leitor, o que se tende a perder no salve-se quem puder que se tornaram “os media”. (Alexandra Lucas Coelho, “Para não acabar de vez com os jornais (e a democracia )” – JORNAL PÚBLICO 28/12/2015).

O que pretendemos com o Jornal Aberto é quase um ensaio. Baseamos o projeto num movimento académico e jornalístico que emergiu nos finais anos 80 nos EUA – “um movimento importante e polémico que defende um novo jornalismo” (Traquina, Nelson; Mesquita, Mário. 2003, Jornalismo Cívico, Lisboa - Coleção Media e Jornalismo).

O novo jornalismo é conhecido por diferentes nomes: Jornalismo Comunitário” (Craig,1995), Jornalismo de Serviço Público” (Shepard,1994), “Jornalismo Público” (Rose, 1994: Merrit, 1995) e “Jornalismo Cívico ( Lambeth e Craig, 1995).

Escolhemos Jornalismo do Cidadão.

Voltemos ao Jornal Aberto. É um site de Informação. Um portal que desafia o cidadão, as empresas, as organizações e as instituições desta região a “postarem a sua notícia” e a enviarem vídeos, fotos, registos de áudio e texto.

Quem por cá navega sabe quem é o autor de determinado “post”.

Desta vez fomos mais arrojados: permitimos comentários às notícias publicadas. Já o dissemos: não somos jornalistas, não fazemos mediação. Mas fazemos “moderação”.

Em vez do Jornalista, existe o Moderador.

É uma espécie de “provedor do cidadão” que valida a publicação de notícias e de comentários. Controlar é um risco, sobretudo em Democracia, mas preferimos correr o risco da moderação ao risco da falta dela. Que poderá transformar democracia em insulto.

Esta é a primeira grande transformação visual do Jornal Aberto ao fim de uma década.

Fomos dos primeiros na região a chegar ao online, já lá vão dez anos!

Continuaremos focados nos três concelhos do Baixo Tâmega e nos Seis do Vale do Sousa e apenas permitimos informações destes nove concelhos: Paredes, Penafiel, Lousada, Paços de Ferreira, Felgueiras, Castelo de Paiva, Amarante, Baião e Marco de Canaveses. E da CIM (Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa) ou da Rota do Românico. São duas entidades ligadas ao nosso espaço regional.

E não estamos inscritos na A ERC - Entidade Reguladora para a Comunicação Social, mas na IGAC - Inspeção-geral das Atividades Culturais. Processo 364/2006.

O público não é apenas um consumidor, mas um ator da vida democrática.

Esperamos pela vossa participação cívica.

1 comentário

  • Ligação de comentário Hugo
    Hugo
    quinta, 21 janeiro 2016 22:20

    A ideia está fantástica, o site está bonito, prático e apelativo.
    Resta-me desejar a maior sorte ao Jornal Aberto.

Deixe um comentário

Certifique-se que coloca as informações (*) requerido onde indicado. Código HTML não é permitido.