Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa

A segunda Brigada de Sapadores Florestais da Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa (CIM do Tâmega e Sousa) iniciou hoje, dia 1, a sua atividade. Constituída por 15 elementos, esta equipa terá como principal missão o desenvolvimento de ações de silvicultura preventiva, principalmente na manutenção e instalação de rede primária de defesa da floresta contra incêndios, de consolidação pós-fogo e de estabilização de emergência e apoio ao combate a incêndios rurais, reforçando o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pelos outros 15 da primeira brigada.
A região do Tâmega e Sousa, que integra os municípios de Amarante, Baião, Castelo de Paiva, Celorico de Basto, Cinfães, Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Paços de Ferreira, Penafiel e Resende, e o Município de Paredes vão passar a dispor de três centros de diagnóstico da COVID-19 para testar pessoas com suspeita de infeção e previamente referenciadas pelo Serviço Nacional de Saúde. 
Material visa proteger os profissionais da região do contacto com o novo coronavírus. A Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa (CIM do Tâmega e Sousa), que integra os municípios de Amarante, Baião, Castelo de Paiva, Celorico de Basto, Cinfães, Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Paços de Ferreira, Penafiel e Resende, e o Município de Paredes procederam à aquisição, em conjunto, de equipamento de proteção individual destinado aos profissionais das unidades de saúde
A região do Tâmega e Sousa, que integra os municípios de Amarante, Baião, Castelo de Paiva, Celorico de Basto, Cinfães, Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Paços de Ferreira, Penafiel e Resende, e o Município de Paredes querem passar a dispor de centros de rastreio da COVID-19 para testar pessoas com suspeita de infeção e previamente referenciadas pelo Serviço Nacional de Saúde. Pretende-se, assim, aumentar a capacidade de resposta no combate à pandemia e aliviar o afluxo de potenciais suspeitos de infeção aos hospitais.
Considerando a situação que Portugal e, mais concretamente, a região do Tâmega e Sousa vivem devido ao COVID-19, e atendendo às recomendações do Ministério da Saúde relativas a eventos sociais, informa-se que o Workshop “Bio-Regiões: uma estratégia integrada de desenvolvimento dos territórios rurais”, agendado para o dia 18 de março, foi adiado para data a anunciar oportunamente.  Pedimos desculpas pelo incómodo, agradecendo, desde já, a melhor atenção.
 
A Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa (CIM do Tâmega e Sousa) está a trabalhar no sentido de tornar o seu território numa biorregião e a criar condições para a sua integração na Rede Internacional das Biorregiões (INNER – International Network of Eco Regions).
O Presidente do Conselho Intermunicipal da Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa (CIM do Tâmega e Sousa), Gonçalo Rocha, apresentou ontem, dia 27, a Estratégia de Eficiência Coletiva PROVERE (Programa de Valorização Económica de Recursos Endógenos) da região do Tâmega e Sousa à Ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa. A apresentação decorreu durante a sessão pública “Estratégias PROVERE na Região Norte: Apresentação de Resultados e Lançamento de candidaturas”, uma ação integrada na iniciativa “Governo Mais Próximo”, que teve lugar em Vimioso.
A Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa (CIM do Tâmega e Sousa) está a trabalhar no sentido de tornar o seu território numa biorregião e a criar condições para a sua integração na Rede Internacional de Biorregiões, a IN.N.E.R. – International Network of Eco Regions. Uma biorregião é uma área geográfica onde os agricultores e produtores biológicos, a comunidade em geral, os operadores turísticos, as associações, as instituições de ensino 
A Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa (CIM do Tâmega e Sousa) vai dinamizar, durante este mês, uma ação de capacitação sobre critérios ecológicos e sustentáveis nas compras públicas. Dirigida a atuais e potenciais fornecedores de entidades públicas, esta iniciativa, designada de “Critérios de circularidade nas compras públicas”, tem como objetivo envolver e sensibilizar estes agentes para o processo de compras públicas sustentáveis
A Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa (CIM do Tâmega e Sousa) vai integrar uma rede europeia de prevenção e controlo da vespa velutina. Chama-se Atlantic-Positive – Conservation of Atlantic pollination services and control of the invasive species Vespa velutina [Preservação de serviços de polinização atlânticos e controlo de espécie invasora vespa velutina] e é constituída por cerca de 30 entidades de Portugal, Espanha, França, Reino Unido e Irlanda, países mais ameaçados por esta espécie.
Pág. 1 de 7