01 fevereiro

PENAFIEL - Livro "Da ‘Portugalidade’ à Lusofonia", de Vítor de Sousa, apresentado na Biblioteca Municipal

Escrito por 
No próximo dia 8 de fevereiro, pelas 21h30, no auditório da Biblioteca Municipal de Penafiel, Moisés de Lemos Martins (CECS-Dep. Ciências da Comunicação da Universidade do Minho) e Francisco Azevedo Mendes (Lab2Pt - Dep. História da Universidade do Minho), apresentam o livro "Da ‘Portugalidade’ à Lusofonia", de Vítor de Sousa. 
O livro reproduz grande parte da investigação desenvolvida na tese de doutoramento, homónima, que o autor defendeu em 2015, na Universidade do Minho, em Ciências da Comunicação (especialidade de Comunicação Intercultural), assim como os seus principais desenvolvimentos e conclusões. Com esta tese venceu, em 2016, o Prémio Mário Quartim Graça, da Casa da América Latina, que a distinguiu como a melhor tese de doutoramento, submetida a concurso nos três últimos anos em Ciências Sociais e Humanas, em Portugal e na América Latina.
 
Segundo Vítor de Sousa, “esta investigação pretende observar de que modo a ‘portugalidade’ pontua a construção da lusofonia. O conceito ‘portugalidade’ decorre de uma lógica estado-novista para que as ex-colónias fossem vistas pela ONU não como territórios autónomos, mas como parte integrante do território português, enquanto províncias ultramarinas, o que passou a ser corroborado, a partir de 1951, pelo discurso parlamentar da Assembleia Nacional, na sequência da revogação do Ato Colonial”.
 
Mais informações: DEVE CLICAR AQUI e AQUI
Sobre o Autor DEVE CLICAR AQUI
 
Resumo do livro
Não pode haver lusofonia com 'portugalidade'. Perspetivar a lusofonia com a ‘portugalidade’ configura um contrassenso. 
 
Sinopse da obra
Esta investigação pretende observar de que modo a 'portugalidade' pontua a construção da lusofonia. O conceito ‘portugalidade’ decorre de uma lógica estado-novista para que as ex-colónias fossem vistas pela ONU não como territórios autónomos, mas como parte integrante do território português (províncias ultramarinas), corroborado pelo discurso parlamentar da Assembleia Nacional, a partir de 1951 (data da revogação do Ato Colonial), pela introdução da palavra nos discursos dos deputados. Toda essa estratégia ia no sentido de combater os movimentos independentistas que emergiam nas antigas colónias, defendendo a pertença desses territórios a Portugal, por via do seu ‘destino histórico’. Esse facto seria sublinhado no discurso político da ‘portugalidade’, com a assunção de Portugal como um país uno e indivisível: "Portugal do Minho a Timor".
Tendo-se desmoronado a maior parte dos impérios com o fim da II Guerra Mundial, no caso português o assumido ‘império’ prolongar-se-ia por mais três décadas. De que forma é que toda essa dinâmica se refletiu na lusofonia? É possível encarar a lusofonia centrada em Portugal, como produto da ‘portugalidade’? Faz sentido essa perspetiva quando a globalização esbateu as fronteiras e diluiu as singularidades identitárias, permitindo que se perspetivassem relações multiculturais e/ou interculturais?
 
Ficha
Título: Da ‘Portugalidade' à Lusofonia
Autor: Vítor de Sousa 
ISBN: 978-989-755-270-0
Ano de edição: 11-2017 
Editor: Edições Humus 
Idioma: Português 
Dimensões: 161 x 228 x 29 mm
Encadernação: Capa mole 
Páginas: 424